Minhas impressões da Terra do Sol Nascente – Parte II

Logo depois que publiquei o último post no blog, falando sobre minhas impressões aqui Japão, ouvi a seguinte frase: “as percepções que temos de um país estão relacionadas com meia dúzia de pessoas que cruzam o nosso caminho”.

Hoje o dia começou muito triste para mim.

Estava em Himeji, entrando para vistar o famoso castelo, quando recebo uma mensagem da minha irmã contando que uma de nossas gatinhas,  a Nina,  tinha sofrido um acidente e morrido. Só quem tem ou teve um bichinho consegue imaginar a dor que brotou no meu peito. Chorei, chorei. Vontade de pelo menos estar junto da minha família para poder sofrer junto.

Pensei se deveria mesmo entrar no castelo e continuar o passeio. Achei melhor sim, pelo menos ficaria em movimento.

No portão, um senhor nos abordou pois era um guia voluntário, mas agradecemos e seguimos,  nem estava com cabeça de ouvir explicações. Continuei andando com a cabeça a mil. Já dentro do castelo, na hora de tirar os sapatos e colocar os chinelos, uma senhora percebe que estávamos com dificuldade de perguntar se não existia chinelos maiores para um funcionário que não falava inglês.  Ela já chegou se desculpando, pois só existia mesmo tamanho pequeno,  perguntou de onde nós eramos e abriu um mega sorriso quando ouviu Brasil. Perguntou meio inibida  se não nos incomodávamos dela ser nossa guia no castelo, trabalhava lá como voluntária.

Simplesmente impossível falar não para aquela senhora fofa. Ela nos deu uma aula sobre o lugar e a estória do Japão, é muito legal ver o orgulho que os japoneses tem de sua estória. Fiquei tão envolvida que por mais de uma hora senti meu peito um pouco mais leve. Aquele olhar e aquela atenção foram capazes de me acalmar e até conseguiu me fazer sorrir. Talvez até este momento, eu não tinha cruzado com as pessoas certas. Me senti acolhida no Japão no dia mais triste da minha viagem.

E da nossa Nina, a gatinha arteira que conseguiu conquistar todos os nossos corações,  só o tempo será capaz de amenizar tamanha tristeza.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *